Adepto de nome, traço, título.
0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 Filament.io 0 Flares ×

 

Pode parecer pragmatismo, perfeccionismo ou falta do que fazer mas, defendo a tese de Dagomir Marquezi em seu texto para a Revista INFO sobre o título: “Nome, traço, título.“, falando da padronização da biblioteca musical pessoal. Além de ser muito mais fácil localizar aquela canção que você mais gosta, criar álbuns não oficiais de artistas, seja como um apanhado de sucessos – um ‘the best of’ por exemplo – ou como coletânea, é muito prático além de organizado.

No princípio toma certo tempo, mas depois já tendo suas pastas organizadas por artistas e álbuns dentro da famosa ‘Minhas Músicas’ ou ‘MP3′ fica tudo tão bonito e coeso que você acaba sentindo um certo orgulho bobo por se achar tão organizado.

Em meu iPod, álbuns oficiais convivem pacificamente com coletâneas montadas – para as quais, inclusive, faço capas – e mesmo quando quero fazer uma salada musical de ritmos, intérpretes, bandas e sonoridades, me preocupo em criar um álbum temático, fazer uma bela capa que arremeta ao conteúdo da coletânea e mandar pro gadget sem medo de ser feliz.

iTunes

Álbuns: Blindagem Apanhado, Eurythmics The Best Of e At Vance The Best Of são coletâneas montadas a bel prazer, sem esquecer de criar uma capa!

 

Para ensaios com a Alkimia Classic Rock ou a Beppi International Band, por exemplo, uso os álbuns específicos com o nome de cada banda, onde coloco todas as canções do repertório, separadinhas por blocos ( ex.: ABERTURA – 01 • Skyline Pigeon – Elton John / DISCO – 01 • – Celebration – Kool & The Gang) com suas devidas letras. Pela possibilidade de carregar as letras em cada música, faço até mesmo marcações como {BACKING}, {SOLO}, para não perder o fio da meada, facilitando decorar a letra e tempos de execução da música. Como bem disse Marquezi na matéria:

É um dos segredos da meditação musical: a padronização. É como separar grãos de areia, montar miniaturas de avião ou cultivar bonsais. Esvazia a mente.

E o processo torna-se viciante, pois abrir a pasta ‘minhas músicas’ e ver álbuns organizados por ano, artista ou preferência musical dá sim orgulho pelo trabalho de organização, além de facilitar sua vida na hora de uma busca rápida. E pra finalizar cito mais uma vez Marquezi:

Muitos tomam esse cuidado. Outros acham uma perda de tempo e não se importam de ler coisas como “madonna_reyoflith.mp3″. Para mim, isso é desrespeito à mais vital das artes. Canários cantam, baleias cantam, cigarras cantam. O universo é uma vasta sinfonia de sons e ritmos. Música é o melhor.

Written by MarcelGinn®

Não sou chegado de Dalton Trevisan, nem fiz poesia com Leminski, o que não me torna menos vampiro de Curitiba.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *